Logo USP

facebook

english

español

Vetmóvel inicia atividades no Capão Redondo

 VETMOVEL HORIZONTAL2

 Clínica veterinária móvel

 

Com informações da Assessoria de Imprensa do MAPAA

Desenvolvido pelo Instituto MAPAA e pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da USP, projeto social promove atendimento veterinário a animais carentes em comunidades de São Paulo. Unidade móvel  realizará sua primeira ação no dia 10/12, no bairro Capão Redondo. Educação, conscientização, orientação clínica preventiva e castrações serão os principais objetivos da iniciativa que envolve especialistas do MAPAA e da FMVZ.

Oferecer orientação veterinária gratuita e educar tutores e cuidadores de animais que vivem em zonas carentes da cidade de São Paulo sobre assuntos como zoonoses, manipulação de alimentos, bem-estar animal, guarda responsável e controle populacional. Essa é a proposta do Vetmóvel, projeto itinerante de educação e orientação veterinária criado pelo Instituto MAPAA – ONG especializada no resgate em situações emergenciais, conscientização dos cuidados aos animais, adoção consciente e terapia assistida – em conjunto com a FMVZ  realizará seu primeiro mutirão clínico dia 10/12, no Céu Feitiço da Vila, no Capão Redondo, Zona Sul de São Paulo.

A ONG se uniu aos profissionais da universidade para idealizar o projeto que surgiu com base no alto número de animais abandonados no Brasil. “Hoje, milhares de cães e gatos vivem em circunstâncias de abandono total, sem higiene, acompanhamento veterinário e alimentação digna, além de estarem sujeitos a agressões e maus-tratos. No Brasil já existem mais cães do que crianças dentro das famílias e por mais que não exista um dado concreto, sabemos que o número deles nas ruas é bastante grande. Para nós um animal na rua já é muito e este projeto vai ajudar a reverter esta realidade que nasce na desinformação e na falta de acesso ao conhecimento e ao atendimento veterinário” explica Mikael Freitas, fundador e diretor administrativo do Instituto MAPPA.

Segundo Mikael, depois de alguns meses finalizando a adaptação do ônibus e cuidando dos últimos detalhes do projeto, as instituições deram início às atividades do Vetmóvel com o objetivo principal de que este seja um projeto transformador para a vida dos animais e de seus guardiões. “Estamos trabalhando em conjunto com a melhor Faculdade de Medicina Veterinária da América Latina, e durante todo o ano, vamos visitar bairros carentes, levando não só a campanha ininterrupta de castração a estes locais, mas também conhecimento – em manuais impressos, peças de teatro e palestras a serem desenvolvidas junto às comunidades. A educação é fundamental para ajudar a minimizar o alto índice de abandono de animais no Brasil”.

Ao final de cada etapa do projeto serão realizadas castrações totalmente gratuitas dentro do Vetmóvel, um ônibus marca VW, modelo Apache 2005, adaptado internamente para se tornar uma clínica veterinária. Como aproximadamente 20m² foi dividido em ambulatório, sala de higienização, sala cirúrgica, sala pós-cirúrgica e sala de degermação, onde serão esterilizados os equipamentos e materiais cirúrgicos. “Nossa unidade móvel foi totalmente adaptada e equipada para a realização de atendimentos clínicos prévios e cirurgias”, conta Mikael.

O projeto envolve também a realização de pesquisas para diagnóstico dos problemas das comunidades da cidade que envolvam ações da medicina veterinária, tendo como um de seus principais focos o desenvolvimento de indicadores que permitirão, pela primeira vez, analisar os efeitos das campanhas educativas, clínicas e de castração a longo prazo. Passo fundamental para o desenvolvimento de ações e políticas que visem reverter a árdua realidade dos animais abandonados nas ruas por todo o país. “Hoje, em São Paulo, apenas o trabalho de castração não é suficiente. Então, além da educação, vamos construir indicadores que serão utilizados, posteriormente, para que possamos medir os efeitos da atuação do Vetmóvel – um conhecimento importantíssimo para a prevenção do aumento da população animal, e que não existe ainda no Brasil.

Vamos melhorar a qualidade de vida das pessoas, dos animais e do ambiente onde vivem”, explica a Profa. Dra. Paula Papa, uma das idealizadoras e responsável técnica do projeto. No dia 03/12 foram realizadas palestras para os moradores da região e um mutirão clínico que irá atender os animas do bairro que foram cadastrados no projeto por seus guardiões e cuidadores. Esses animais passarão por uma triagem e serão preparados para as cirurgias que acontecerão no dia 10/12.  

Até o momento, já foram realizadas quatro apresentações de teatro para cerca de 600 crianças entre 6 e 10 anos estudantes do CEU feitiço da Vila e a aplicação de questionários para moradores da região do Capão Redondo e entorno, cujas respostas servirão de base para a elaboração das palestras que serão ministradas ao longo das atividades. 

Identificação da  FMVZ  com o projeto

O Hospital Veterinário atende animais de pequeno e grande portes, além de aves.  O projeto está perfeitamente alinhado com o Programa de Residência em Medicina Veterinária do Hospital Veterinário, com a finalidade de formar profissionais conscientes de seu papel social, por meio de programa de treinamento em serviço, com vistas à promoção da saúde, considerando a relação animal, homem e meio ambiente.

Desde sua fundação em 1919, a Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) tem como um de seus principais objetivos formar profissionais altamente qualificados para atuar na área de medicina veterinária. Constituída pelos departamentos de Cirurgia, Clínica Médica, Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal, Nutrição e Produção Animal, Patologia e Reprodução Animal,  conta também com um museu de anatomia animal e biblioteca especializada. Em seus quase 100 anos de existência tem demonstrado a altíssima qualidade de seu trabalho através do reconhecimento nacional e internacional por sua excelência. Adicionalmente, seus serviços de extensão à comunidade, por meio de seu Hospital Veterinário, envolvem o atendimento anual de cerca de 35 mil animais e a realização de 50 mil exames laboratoriais e complementares para auxílio do diagnóstico , conforme informações da  Profa. Dra. Silvia Regina Ricci Lucas, Diretora do Hospital.